sexta-feira, 30 de março de 2012

quando a multidão parece infinita...

  Ultimamente tenho passado por situações que nunca imaginara; momentos difíceis que requerem equilíbrio, força, sabedoria e domínio próprio. Etava me saindo muito bem, mas bastou um dia, um único dia, em que parei de vigiar o campo de batalha por pouco menos de 3h, e a bomba explodiu dentro do meu acampamento.

  Nos preocupamos muito e querer ser pessoas melhores, em pedir que D'us ajude a mudar nosso caráter, sermos fortes e sábios, e quando Ele ouve a nossa voz, e nos concede um teste, em que tais habilidades serão avaliadas, para então, elevarmos o nível do nosso espírito, não conseguimos suportar e somos reprovados.
 
  Muitas vezes, quando me vejo em situações tão inusitadas, difíceis e grandes demais, sinto-me como Zaqueu, um homem pequenino que desejava ver Jesus quando este caminhava por Jerusalém, mas a quantidade de pessoas que O seguia era tanta, que Zaqueu não conseguiu sequer chegar perto do Rabbi.
  A multidão não o deixara falar com o mestre, então, ele subiu numa árvore, e lá do alto, mesmo distante, conseguiu saciar a sede que tinha de, apenas, olhar para Jesus, vê-lo caminhar e falar... Jesus se surpreendeu com a necessidade e ousadia do pequeno, chamou-o e disse que comeria em sua casa e conversaria com ele.
  Assim como Zaqueu, uma mulher que tinha uma doença incurável, começou a seguir a Cristo, tentava se aproximar dele muitas vezes, mas novamente a multidão impedia, no entanto não desistiu, sabia que mesmo se ele não tivesse tempo para conversar com ela e ouvir suas aflições, bastaria tocar na barra do vestido de Jesus e ela seria curada.
  A mulher, ao tocá-lo, conseguiu chamar a atenção do Rabbi, pois tocou-lhe com fé, e o coração dEle sentiu algo diferente.
  Sim, sinto-me necessitada de tocá-lO, de chamar Sua atenção para mim para sarar o meu coração da dor, do medo... Mas a multidão me parece infinitamente grande, e apesar de esticar os meus braços e o meu corpo de toda a forma que posso, ainda assim não consigo. 
  Mas apesar disso, sei que um dia conseguirei que Ele olhe pra mim, como diz a música do Ministério Trazendo a Arca: 

"Não importa a multidão, só eu sei o que eu preciso, e eu preciso do Teu olhar"
(Olha pra Mim-Ministério Trazendo a )

  Como disse o Pastor Fábio uma vez, em resposta a um email que lhe enviei relatando uma situação (a situação em questão; da bomba que explodiu dentro do meu acampamento), ele me falou de como é realmente difícil para nós, humanos e pecadores, dominarmos nossas atitudes erradas, mas é importante, quando um deslize ocorre, que o reconheçamos como algo que não pode ser repetido, buscando não cometê-lo novamente.
  Que as promessas de D'us são fiéis e não tornarão atrás mas que atitudes erradas podem adiar que elas aconteçam mais rapidamente, ou menos demoradamente. O importante é não desistir, continuar os dias confiante, mesmo que pareçam longos demais, mesmo que todas as circuntâncias nos façam desacreditar no que Ele um dia falou. 
  Ele é fiel, Ele cumprirá. E da mesma forma que Ele falou que fará e que esperamos que cumpra sua palavra, assim Ele espera que continuemos caminhando com fé e esperança, sem duvidar.

"E as lutas vêm tentando me afastar de Ti
Frieza, escuridão procuram me cegar
Mas eu não vou desistir
Ajuda-me Senhor
Eu quero permanecer Contigo até o fim"
(Preciso de Ti-Diante do Trono)


Nenhum comentário:

Postar um comentário