sábado, 27 de março de 2010



Outra coisa injusta da vida, é a forma como os momentos bons vão embora, aqueles que você sente enorme saudade, que reza a Deus para que volte, e quando as preces são ouvidas, as coisas não parecem mais fazer um sentido lógico e linear, verdadeiro.
E é bem pior agora, porque fica-se comparando o que foi bom de antes ao que agora não vale metade do nosso esforço para fazer valer à pena, e o sentimento de arrependimento mais profundo e indescritivelmente doloroso insiste em magoar o meu coração assim desse jeito tão forte.
Por pouco mais de seis dias eu insisti em acreditar em histórias e palavras e demonstrações pelas quais eu poderia morrer jurando serem elas reais, mas hoje, nunca como antes, eu me sinto tão equivocada, apesar de ainda tentar, discretamente, me enganar...
Esse sentimento estranho, por ter chegado tão perto da realidade que eu não queria pensar existir, me faz sentir ainda mais fraca, e eu tento pensar num futuro diferente, longe da gente, longe desse mar... e eu ainda tento querer voar pra chegar o mais longe que minhas asas e meu fôlego poderiam me levar.
Eu não quero querer ver mais um por-do-sol nessa praia, leve também pra longe esses meus momentos deprimentes de agora, ondinhas queridas, e deixem-me dormir para ainda acordar.

(ThaísLeal)