domingo, 23 de agosto de 2009


"Eu já sei o que meus olhos vão querer
Quando eu te encontrar
Impedidos de te ver
Vão querer chorar
Um riso incontido
Perdido em algum lugar
Felicidade que transborda
Parece não querer parar
Não quer parar
Não vai parar

Eu já sei o que meus lábios vão querer
Quando eu te encontrar
Molhados de prazer
Vão querer beijar
E o que na vida não se cansa
De se apresentar
Por ser lugar comum
Deixamos de extravazar, de demonstrar

Nunca me disseram o que devo fazer
Quando a saudade acorda
A beleza que faz sofrer
Nunca me disseram como devo proceder
Chorar, beijar, te abraçar, é isso que quero fazer
É isso que quero dizer

Eu já sei o que meus braços vão querer
Quando eu te encontrar
Na forma de um "C"
Vão te abraçar
Um abraço apertado
Pra você não escapar
Se você foge me faz crer
Que o mundo pode acabar, vai acabar"

Biquíni Cavadão - Quando eu te Encontrar

(Muahhhh!!!!)


"E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce

Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce"


Skank - Sutilmente

quinta-feira, 20 de agosto de 2009


"O escape, o descanso, a cura,
a recompensa vem sem demora"

-Pra Ludmila Ferber-
Nunca pare de Lutar

quarta-feira, 19 de agosto de 2009


"Companheira, sei que vc vai chorar quando ler esta carta. Vai ser difícil para mim, pois me acostumei à sua presença, porém não vejo mais motivos para continuarmos juntas.
Perdi anos de minha vida ao seu lado, Tristeza, acreditando que o Amor não existe e o Mundo não tem jeito. Vc é péssima conselheira.
Chegou a hora de dar chance à Alegria, que há muito tem mostrado interesse em passar um tempo comigo.
Desde criança, abro mão de muita coisa por vc. Festas a que não fui porque vc não me deixou ir, paisagens lindas nas quais não reparei porque vc exigiu de mim total atenção.
Quero de volta meus discos de dance music, que vc tirou da prateleira. E minhas roupas estampadas, que sumiram do meu armário depois que vc se instalou aqui.
Quero ver a vida por outros olhos, que não os seus. Quero beber por outros motivos, que não afogar vc dentro de mim.

Como disse Lulu hj de manhã no carro a caminho do trabalho: Não te quero mal, apenas não te quero mais."
__

(Fernanda Young)
Comunidade Para a Tristeza - Orkut

"As coisas tangíveis tornam-se insensíveis a palma da mão.
Mas as coisas findas, muito mais que lindas, estas ficarão."


"... De tudo fica um pouco; do meu medo, do teu asco, dos gritos gagos.
Da rosa ficou um pouco.
E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa o insuportável mau cheiro da memória ... "

(C. D. de Andrade)



"Se as coisas fossem perfeitas
Não existiria lições de vida
Não haveriam arrependimentos

E nem descobertas...


Se tudo fosse perfeito

Mãos não se uniriam

E sonhos não seriam valorizados.

Se tudo fosse perfeito

Olhares não se completariam
E gestos passavam despercebidos.


Se tudo fosse perfeito

As lágrimas não existiriam

As palavras seriam perfeitas.


Se tudo fosse perfeito

Eu pularia no abismo

Sem medo da morte

Pois asas eu ganharia...

Se tudo fosse perfeito

Eu atravessaria o oceano

Sem medo de ser levada pelas ondas

Sem receios de me perder em suas profundezas.


Se tudo fosse perfeito

Dores não existiriam

E a cura não seria procurada...


Se tudo fosse perfeito

Não haveria a busca pela perfeição...


Nada é por acaso

Pois nem o destino
É Perfeito."

"Os meninos deitaram-se e pegaram no sono. Sinha Vitória pediu o binga ao companheiro e acendeu o cachimbo. Fabiano preparou um cigarro. Por enquanto estavam sossegados.O bebedouro indeciso tornara-se realidade. Voltaram a cochichar projetos, as fumaças do cigarro e do cachimbo misturaram-se. Fabiano insistiu nos seus conhecimentos topográficos, falou no cavalo de fábrica. Ia morrer na certa, um animal tão bom. Se tivesse vindo com eles, transportaria a bagagem. Algum tempo comeria folhas secas, mas além dos montes encontraria alimentos verdes. Infelizmente pertencia ao fazendeiro - e definhava, sem ter quem lhe desse ração. Ia morrer o amigo, lazarento e com esparavões, num canto da cerca, vendo os urubus chegarem banzeiros, saltando, os bicos ameaçando os olhos. A lembrança das aves medonhas, que ameaçavam com os bicos pontudos os olhos de criaturas vivas, horrorizou Fabiano. Se elas tivessem paciência, comeriam tranquilamente a carniça. Não tinham paciência, aquelas pestes vorazes que voavam lá em cima fazendo curvas.

- Pestes.

Voavam sempre, não se podia saber donde vinha tanto urubu."

-Vidas Secas-
Graciliano Ramos


Sinceramente eu sempre esperei mais:
- mais sensibilidade; mais humildade; mais humanidade ...
De fato, nunca pensei que tão pouco fosse capaz de comprar teu juízo e teu senso e te fizesse desfazer do recato e bom senso que outrora tivestes.
Que decepção olhar para atrás e ver que pouca coisa valeu à pena, compreender que toda a admiração que eu criei foi em vão.

Espero que em algum lugar desse universo ou do outro ainda exista alguma coisa boa em ti, não para que voltes para meus braços incansáveis, para meus beijos infindáveis, nem para o pequeno universo que criamos ao redor dos nossos planos, não! E estaria mentindo se dissesse que ainda anseio pelo teu regresso para o momento "após todas as coisas" (After All ...), não, por isso não espero. Mas que voltes para o que eras quando, ao invés de coisas tão pequenas, querias proteger teu coração, e te preocupavas com a maior e verdadeira riqueza que tinhas, a qual dinheiro nenhum poderia comprar: tua simplicidade.

Anelo verdadeiramente que tua felicidade não se limite apenas à formas irrelevantes, nem a espaços repletos de coisas passageiras que são incapazes de trazer tranquilidade à alma.

(Thaís Leal)

segunda-feira, 17 de agosto de 2009


Era uma criança feliz apesar de, tão novo, ter experimentado os sabores tão amargos da vida. Apenas seis anos e uma vasta compreensão de como não querer mais ser magoado: esperto em se esconder, em ter conseguido várias vezes se esconder dos puxões de orelhas e gritarias, xingamentos e dores promovidos por seus próprios pais.

Queria poder novamente te pegar nos braços e cantar para ti até que pegasses no sono ... pentearia teus cabelos, leria para ti, meu pequeno, e de nada me queixaria! Ficaria mãemente feliz ao ver-te acordar cada dia com os cabelos bagunçados e o corpinho quente, com aquele brilho nos olhos único das almas inocentes e infantis.

E seríamos felizes até quando, tu já grande e nós já velhos, viesses sábio e entendido abraçar-nos em nossos últimos anos, últimos meses, últimos dias. E nos farias lembrar das alegrias de quando éramos jovens; do quanto ficamos encantados e embriagados de felicidade quando vimos teu primeiro riso e ouvimos teu primeiro choro.

Partes de mim como se me fosse retirada a pele; roubada a minha liberdade em um lugar estranho onde ninguém consegue compreender o que tento falar, e vais para onde eu não consigo encontrar.

Não chores, meu menino; vem para os meus braços pra novamente eu te fazer ninar; pra esqueceres os problemas adultos que sobrecarregavam tuas costas e te impediam de caminhar sozinho.

Ah! Como eu queria teu ultimo abraço, teu ultimo afago, teu ultimo cheiro ... partistes assim sem se despedir, sem me avisar: filho ingrato!

Ah! E como posso eu culpar-te por teres partido? Toda essa dor não me deixa lúcida, anjinho. Compreendas a tua mãe; eras tão novo, tão pequeno, apenas seis anos e uma vasta compreensão de como magoar e ser magoado.

Vai meu menino mais lindo para onde não sei ser. Tento acreditar que ficarás melhor no recanto onde te encontras; longe de todo desafecto, longe de qualquer esquecimento.

E apesar da distância entre nossos mundos, eu te levarei comigo sempre mesmo estando tu morto para o meu, acredites; estarás sempre bem guardado e escondido dentro do meu coração para que nenhuma mágoa te apague e ninguém possa extrair-te de mim.

Prometo!

(Thaís Leal)




Meia vida inteira em minhas mãos,e tantas vezes eu tive medo de errar, preferi ficar em casa ao invés de aceitar o convite avassalador do Novo para desbravar o mundo por uma mentira, uma longa mentira ... E falei tantas bobagens para pessoas boas, retirando-as dos seus lugares especiais em meu coração para coroar deuses pagãos; rejeitei a companhia de amigos verdadeiros; defendi a todo custo seres incapazes de compreender o que é amar.
Tantos passos errados; tantos gestos irritados, medíocres...
O mais doloroso é, hoje, analisar racionalmente cada um desses erros; é entender que se errou a cada atitude tomada, e não há culpados além de você mesmo. Mas ter a consciência de foi necessário cair e machucar todo o corpo, até doer na alma, para que a vida mostrasse a beleza sublime e superior do verdadeiramente "Ser diferente", subitamente, faz-me aceitar que tudo foi necessário acontecer da forma como aconteceu.
Por isso, apesar de sentir toda essa decepção e dor, um sentimento de euforia e liberdade invade a alma; sentimentos avessos, confusão de pensamentos... e juntamente ao incerto, tem-se uma absoluta certeza de felicidade futura, longe daqui, mas possível ...

(Thaís Leal)